Ensino híbrido garante qualidade do ensino e otimiza tempo dos alunos

Tendência na educação, modalidade vai muito além de transmitir aulas online; UniSociesc usa tecnologia para garantir que os estudantes não precisem ir todos os dias para a faculdade 

A pandemia do novo coronavírus deixou metade dos alunos no mundo impossibilitados de assistir às aulas, segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Isso representa mais de 850 milhões de pessoas que viram suas escolas e universidades serem fechadas de um dia para o outro, o que impôs desafios inéditos a educadores, professores e alunos.

A necessidade do distanciamento social escancarou desigualdades e colocou em discussão o ensino que ocorre na modalidade 100% presencial. Afinal, por que um estudante precisa se deslocar até uma instituição de ensino se ele pode assistir a esta mesma aula dentro do seu próprio quarto? Neste cenário, ganhou força uma metodologia que há anos vem sendo discutida como tendência da educação no século 21: o ensino híbrido. 

O ensino híbrido vai muito além de transmitir aulas online ou passar atividades pela internet. Nele, os ambientes virtuais e físicos são complementares e integrados. As tecnologias virtuais, muito mais do que garantir o acesso do estudante ao conteúdo, são usadas para potencializar sua aprendizagem, mantendo a qualidade do ensino. 

Outro benefício do modelo é que o estudante consegue otimizar seu tempo de estudo. Ao ter a possibilidade de assistir às aulas online, ele pode escolher o momento que fará isso (quando as aulas são assíncronas) e economiza o tempo de deslocamento até a instituição de ensino. Permite ainda que os alunos possam estudar em universidades que estão longe de suas casas, já que não vão precisar participar todos os dias de atividades presenciais. 

Mais vantagens do modelo 

Uma das características centrais deste modelo é a personalização. Cada aluno aprende melhor de um jeito. Há os que irão absorver melhor o conteúdo por um vídeo, outros por texto, e outros com a explanação presencial do professor. O educador, nesse contexto, deve adaptar o conteúdo de maneira a fortalecer o aprendizado de cada aluno.

Além disso, por meio da interação online, o docente tem a missão de identificar as dificuldades de cada aluno, e, uma vez em sala de aula, pode ir direto ao ponto para solucionar o problema. Neste modelo, é reconhecida a importância e complementaridade dos dois ambientes, o físico e o virtual.

Possibilidade de ampliar metodologias ativas

Na UniSociesc todos os cursos de graduação, em diferentes áreas do conhecimento, são ministrados com um percentual de aulas no ambiente virtual – com a mesma qualidade de ensino já reconhecida. 

Com o uso da tecnologia, a instituição localizada no Sul do país, aplica as metodologias ativas, que colocam o aluno no centro da aprendizagem e contribui para a formação de um profissional muito mais consciente e seguro em suas tomadas de decisões. 

No universo híbrido, as metodologias podem ganhar ainda mais variações. Um dos modelos possíveis é a chamada sala de aula invertida. 

Em uma aula tradicional, o aluno é apresentado ao conteúdo primeiro na sala de aula, para depois aprofundá-lo em casa, com as conhecidas “lições de casa”. Já na sala de aula invertida, o aluno recebe primeiro o conteúdo online, através de textos e vídeos, por exemplo. Ele tem o compromisso de estudá-lo em casa, para quando chegar em sala de aula tirar dúvidas e aprofundar o tema aprendido. 

Dessa forma os encontros presenciais ficam muito mais dinâmicos e ganham outro significado. Eles passam a ser reservados para atividades que não teriam a mesma riqueza pedagógica se ocorressem no ambiente online.