Entenda a diferença entre cursos de especialização, MBA, mestrado e doutorado

Todas essas modalidades compõem o universo da pós-graduação, mas possuem exigências e atendem a candidatos com perfis distintos

Se você já concluiu a graduação, pode pensar em ingressar no universo da pós. Mas, você sabe quais são suas opções? Os cursos de especialização, MBA, mestrado ou doutorado estão todos no campo da pós-graduação, mas têm propostas e formatos diferentes.

Lato Sensu X Stricto Sensu

Os cursos de pós-graduação estão divididos em dois grupos: lato sensu e stricto sensu. No primeiro, encaixam-se os programas de especialização e incluem os chamados MBA (Master Business Administration). Segundo o Ministério da Educação, eles devem ter duração mínima de 360 horas e, ao final do curso, o estudante obtém um certificado e não diploma.

Já as pós-graduações stricto sensu agregam os programas de mestrado e doutorado. Eles conferem diplomas aos alunos. Esse tipo de título é muito exigido para quem quer seguir carreira acadêmica, por exemplo, ou busca cargos públicos por meio de concursos. Nesse caso, os títulos valem como pontuação.

Mas, quais as vantagens da especialização?

Os cursos de especialização, geralmente, estão voltados para atender as necessidades dos alunos em relação ao mercado de trabalho. Podem ajudar aquele estudante que acabou de se formar na faculdade ou o que deseja dar um “upgrade” em determinada área. Também são uma boa para quem quer se atualizar em qualquer momento da vida profissional, afinal conhecimento precisa ser construído continuamente.

A forma de acesso pode ser feita por meio de entrevista, análise de currículo e experiência profissional ou avaliações. O processo seletivo pode, ainda, combinar várias dessas etapas.

Pela plataforma e-MEC, disponibilizada pelo Ministério da Educação, você pode pesquisar os cursos de especialização oferecidos pelas instituições de ensino usando filtros como estado, município e áreas dos cursos.

Segundo o MEC, todas as instituições de ensino superior credenciadas que aparecem nessa plataforma podem oferecer cursos de especialização para alunos já graduados, sem prévia autorização, nas áreas em que atuam no ensino de graduação.

A especialização também costuma ser uma boa pedida para quem quer mudar de carreira. Sabe quando você pretende migrar de área, mas não necessariamente quer investir em outra graduação? A especialização pode atender quem está interessado nessa transição mais rápida.

E o MBA, como funciona?

O MEC define como MBA “cursos de especialização em nível de pós-graduação na área de administração”. Entretanto, hoje em dia, é possível encontrar cursos de MBA em saúde, marketing ou agronegócio. Esse tipo de formação é buscado por profissionais com mais experiência e gestores que possuem cargos estratégicos e perfil de liderança.

Algumas instituições de ensino inclusive exigem no processo seletivo que os candidatos tenham um tempo mínimo de experiência profissional.

Uma pesquisa realizada pela Associação Nacional de MBA (Anamba), em 2017, mostrou que os alunos de MBA têm, em média, 30 anos de idade e estão formados na graduação há cerca de seis anos.

Assim como os demais cursos de especialização que fazem parte do grupo de pós lato sensu, os MBAs podem ser oferecidos por instituições credenciadas que são autônomas para definir projeto pedagógico e metodologias de ensino.

Para ofertar os cursos de especialização, as instituições de ensino devem obrigatoriamente ter 50% do corpo docente constituído por professores que tenham títulos de mestre ou doutor.

Stricto Sensu: Mestrados, Doutorados, PhD e Mestrados Profissionais

No campo das pós-graduações stricto sensu, o mestrado aprofunda o conhecimento que o aluno adquiriu na graduação, produzindo análises e pesquisas, enquanto os doutorados se baseiam em provar teses dentro de uma área de conhecimento. Elas são comuns para quem quer seguir carreira acadêmica, seja como docente ou pesquisador. Mas, nada impede que os profissionais que atuam no mercado também ingressem em cursos de pós-graduação stricto sensu.

Mestrado

Geralmente, o primeiro degrau para quem busca seguir uma carreira acadêmica após a formação superior é o mestrado. Os programas duram, em média, dois anos, e os processos seletivos são mais rígidos se comparados aos cursos de especialização. Também são compostos por análise de currículo, experiência profissional e entrevista.

Uma diferença importante em relação ao lato sensu é que, tanto o mestrado como o doutorado, exigem a apresentação de projetos de pesquisa, ou seja, o candidato precisa explicar e justificar a importância do seu foco de estudo.

Fazer um mestrado exige tempo de estudo, não só durante as aulas, mas para leituras extraclasse e participação em seminários e congressos. Para finalizá-lo, o aluno precisa escrever uma dissertação que é submetida a uma banca avaliadora.

Mestrado Profissional

Diferente do mestrado acadêmico que prepara o profissional para seguir carreira na pesquisa ou docência, o mestrado profissional está mais focado na qualificação para o mercado de trabalho.

O aluno que opta pelo mestrado profissional também estará imerso na pesquisa, mas sua formação vai agregar valor às suas atividades na carreira, fora da academia.

No mestrado profissional, o aluno tem a oportunidade de se dedicar a uma pesquisa que interessa à sua profissão e aprender a incluí-la no seu trabalho profissional.

Doutorado

O caminho natural de se seguir após o mestrado é o doutorado. Essa é uma formação que oferece ao aluno a oportunidade de buscar um aprendizado profundo em determinado assunto. Tanto que os programas de doutorado duram entre quatro e cinco anos e exigem tempo extra para leituras e pesquisas fora da sala de aula.

O processo de seleção tende a ser parecido com o do mestrado, mas é comum as instituições de ensino exigirem o domínio de pelo menos uma língua estrangeira.

O doutorando também precisa apresentar uma tese, com pontos de vista e descobertas inéditas, e submetê-la a uma banca examinadora para conquistar o título de doutor.

Cursos são avaliados a cada quatro anos

Todos os programas de pós-graduação stricto sensu são avaliados a cada quatro anos pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), órgão vinculado ao Ministério da Educação responsável por garantir a qualidade dos cursos.

As avaliações resultam em notas que variam de 1 a 7, sendo que 3 significa desempenho regular, e atende ao padrão mínimo de qualidade. Os programas que recebem notas e 1 e 2 têm canceladas as autorizações de funcionamento. Nota 4 é considerado um bom desempenho e 5 é a pontuação máxima para programas com apenas mestrado. Notas 6 e 7 indicam desempenho equivalente ao alto padrão internacional.

Como faço para saber a nota do curso que quero fazer?

A relação de todos os cursos avaliados pela Capes está disponível na Plataforma Sucupira, no menu “cursos avaliados e reconhecidos”. A consulta pode ser feita por área de avaliação, nota e região.

Conteúdo original Unicuritiba